Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Setembro 2008

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930


Pesquisar

 


Segurança? Onde?

Terça-feira, 23.09.08

 

De volta a Salamanca.
Apesar de as férias serem óptimas, a verdade é que já tinha algumas saudades de passear por estas ruas emolduradas pelos edifícios dourados à luz do sol, estar com os colegas na faculdade, voltar ao ritmo da universidade, e do país.
Bem, “férias”, disse eu… Isso limitou-se a uns 20 dias, visto que há um mês que preparava os exames de Setembro. Mas bem, valeu a pena.
Aproveitei então a primeira tarde de 2º ano para passear até à baixa com umas colegas, e nunca pensei que num simples passeio desses assistisse alguma vez àquilo que presenciamos.
Enquanto passávamos numa rua pedonal surge um carro, (assim daqueles género de tunning, com dois rapazes lá dentro) pelo meio da rua, obrigando todos os que por ali passavam a se afastarem rapidamente. Mais alguns passos e ouvimos o forte barulho do motor, olhamos para trás e de novo vem o carro, agora em sentido contrário, e a ainda maior velocidade! Toda a gente recomeça a desviar-se, ainda com mais dificuldade. Nisto, um senhor, creio que já quase idoso, começou a gritar-lhes que aquilo não se fazia; no fundo repreendendo-os pela atitude. Bem, o condutor abranda o carro e faz marcha atrás. Nisto o senhor chega junto dele e pede-lhe para sair do carro. O sujeito acena, sai calmamente, abre a bagageira do carro, tira uma bengala, dirige-se ao senhor e começa a bater-lhe.
Ali. No meio da rua. E todos passavam, faziam que nem olhavam e continuavam, impassíveis àquele horror.
Sim, eu também lá estava e nada fiz. E até agora guardo uma sensação de impotência horrível. Mas fiquei de tal maneira chocada, à beira das lágrimas, que só me imaginava a gritar. E se gritasse seria eu a próxima a levar. Tentámos ver a matrícula mas não foi possível.
Contudo havia gente mais velha, rapazes até a passarem e nada fizeram.
Nunca havia presenciado algo assim, foi daquelas coisas que vemos em filmes e não julgamos ser possível assistir.
Depois disto não creio sentir-me segura como antes me sentia nesta cidade, sempre com bastante policiamento. A verdade é que apesar da policia existir e patrulhar, naquele momento não estava lá, e num caso mais grave o senhor podia até ter sido morto. Talvez ninguém fizesse mesmo nada.
É lamentável. Profundamente desgosto pensar que há gente dessa por aí à solta. É difícil acreditar… aqueles rapazes não irão sentir remorsos? Não imaginam como seria se tivesse sido o pai deles a ser atacado em vez do pobre homem? Não serão capazes de fazer o bem? Afinal de contas o senhor apenas os tentou repreender pelos distúrbios que estavam a causar. Assim é difícil sentirmo-nos seguros, acreditar na própria segurança e na justiça. Isto está cada vez pior. Longe vão os tempos onde podia brincar até tarde na rua só com amigos da minha idade e nada me acontecia. Longe vão os tempos em que podíamos ver as notícias na televisão sem ouvir falar em carjacking, assaltos a multibancos ou esquadras e tribunais, ou mesmo a carrinhas de valores em plena auto-estrada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por cricri às 23:00

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Comentários recentes

  • cricri

    Obrigada!Tenho de me voltar a dedicar um pouco mai...

  • sol

    Encontrei o teu blog por acaso e gostei muito !Seg...

  • cricri

    Muito obrigada! Umas felizes festas!

  • Teresa

    Feliz Natal e parabéns pelo destaque :)

  • rvqgmccjoqk

    RvGZjH <a href=\"http://msepxzxnvpqg.com/...






subscrever feeds